Oops! It appears that you have disabled your Javascript. In order for you to see this page as it is meant to appear, we ask that you please re-enable your Javascript!

O essencial é deixar o celular de lado e respeitar o próximo. Lembre-se: não é não!

O Página 3 entrevistou o especialista em Marketing Pessoal Djoni Alexi, da Ponto Pessoal, que explica a importância de não cometer abusos no Carnaval, para preservar a própria imagem e também não invadir o espaço do outro. É imprescindível sempre lembrar que ‘não’ é ‘não’. A campanha ganhou forças na internet e pede que homens e mulheres não abusem ou insistam, evitando assédios, dentre outros crimes.

O profissional lembra que as pessoas podem e devem curtir o Carnaval, mas Djoni salienta que a maioria das festas é open bar, fazendo com que muitas pessoas ultrapassem limites: do bom senso e do álcool. “Você deve conhecer os seus limites. Saiba até onde pode chegar, lembre dos carnavais passados. Tudo isso está ligado a se controlar: a questão de exageros com bebidas e drogas e também ao assédio”, afirma. E isso também conecta-se a imagem de quem você é. É comum encontrar amigos, colegas de trabalho, clientes e até o chefe em festas. “E imagina estar bêbado nessa hora! Sei que todos nesse momento estão pensando apenas em se divertir, mas se divirtam com precaução e cuidado”, acrescenta.

Djoni pontua que a sociedade está caminhando para ser livre, mas que isso não se encaixa com invadir o espaço do outro. Se você for assediado ou assediada, reporte o caso para um segurança, policial, amigos ou pessoas próximas. “Infelizmente isso é comum nessa época do ano, e o assediador não pode ficar impune. Há também muita exposição com relação ao corpo e imagem e também é preciso ficar ligado nisso. Você decide a imagem que quer transmitir para as pessoas, bom senso tem que reinar sempre – é um aliado essencial no Marketing Pessoal”, explica.

Uma preocupação dos jovens nas festas é ficar bem nas fotos, e Djoni também comenta sobre isso. Ele lembra que se não gostou da foto publicada nas redes sociais dos blocos carnavalescos, por exemplo, há opção de entrar em contato com a página que a publicou. “Mas em hora de festa, como os blocos de rua, a pessoa não tem que se preocupar com isso. Agora se a pessoa publicar fotos e stories no Instagram, embriagado por exemplo, aí exige cuidado. Por isso recomendo que você deixe seu celular de lado e só curta o momento. Questione se vale a pena postar aquilo, se existir dúvida, não poste. Qual é a imagem que você quer passar? Eu sou super a favor da diversão, mas é preciso cuidado da linha onde a imagem pode não ser passada da maneira correta. Sei que a maioria das pessoas não pensa e vai postando tudo o que acontece, mas é preciso repensar. O processo de recuperação da imagem pode ser bem delicado”, completa.

Fonte: Página3