O prefeito Fabrício Oliveira pretende anunciar no final de semana o cronograma para reforma das travessias elevadas que estão em péssimas condições desde o governo passado. Também faz parte do projeto a eliminação de metade das travessias da Avenida Atlântica.

Idealizadas pelo ex-secretário do Planejamento Auri Pavoni, na gestão Edson Piriquito, as passarelas foram um avanço para a redução da velocidade e segurança dos pedestres.

No entanto, problemas na execução e uso de materiais inapropriados transformaram as travessias em problema que precisa ser resolvido.

No verão, com a praia lotada de turistas, a prefeitura teve que reformar emergencialmente a passarela da Avenida Brasil próxima ao Atlântico Shopping que estava esfarelando. Aquele modelo, executado em asfalto, deverá ser o adotado de agora em diante.

De imediato, segundo o secretário de obras João Miguel “Tatá”, deverão ser reformadas as travessias mais críticas, situadas na avenida Brasil, do Estado, Terceira e Quarta avenidas.

Remover na Atlântica

A administração cogita, de imediato, remover metade das travessias elevadas da Avenida Atlântica.

Está em estudo declarar toda a região central “área calma”, com monitoramento contínuo por radares, preferência absoluta para pedestres e ciclistas e motociclistas e velocidade máxima de 40 Km/h.

É preciso fazer algo, a cidade tem números elevados de acidentes (mais de seis por dia no ano passado) sendo quase 25% com vítimas.

No final de 2015 Curitiba declarou 140 quarteirões “área calma” e motoristas que não respeitam a vida alheia fizeram que nessa região a quantidade de multas crescesse acentuadamente.

As reclamações dos motoristas foram maciças, mas a verdade é que o resultado recompensou, a quantidade de acidentes caiu quase 30%.

Áreas calmas são usadas em diversos países. Nova Iorque fixou em 40 Km/h o limite em todas as ruas, reduziu as mortes por acidentes em 30% e aumentou o volume de multas em 40%.

Em locais onde a velocidade máxima é 30 Km/h a probabilidade de morte do pedestre ou ciclista é 10%; aumentando para 30% a 40 Km/h e 85% a 50 Km/h.

Para saber mais sobre a situação preocupante do trânsito local clique aqui.

Fonte: Página 3